Soja: Compradores chineses de soja pedem que exportador garanta cargas livres de vírus

Soja: Compradores chineses de soja pedem que exportador garanta cargas livres de vírus

Compradores chineses de soja estão exigindo exportadores que assinam cartas que carregam seus carregadores não estão contaminados por coronavírus, disseram nesta terça-feira membros da indústria nos Estados Unidos e no Brasil.

O movimento vem medido na China tenta impedir riscos de novas infecções no Covid-19 por produtos importados. O país tem medidas agressivas para conter um salto recente nas infecções, associado a um grande mercado de alimentos em Pequim.

Dois operadores ouvidos pela Reuters disseram que suas empresas não respondem ao pedido e estão procurando autoridades federais ou grupos mais amplos do setor, como a Associação Norte Americana de Exportações de Países e a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), para uma resposta unificada .

O Departamento de Agricultura dos EUA e o Ministério da Agricultura do Brasil não respondem imediatamente a pedidos de comentários.

Sérgio Mendes, diretor geral da Anec, disse que o grupo está estudando sua resposta. A contaminação é virtualmente impossível, uma vez que o processo de carregamento dos navios é quase que totalmente automatizado, segundo ele.

“Nós estaríamos capazes de usar o inimaginável”, disse Mendes.

Na semana passada, a Administração Geral de Alfândegas solicitou aos fornecedores de frutas e frutas do exterior que assinaram os requisitos de segurança e embarques para a China.

Os esforços para garantir que os carregadores de soja estejam livres de coronavírus, no entanto, tenham sido conduzidos por autoridades alfandegárias locais, não por Pequim, disseram o diretor de conselho de exportação norte-americano da China, Zhang Xiaoping.

Agências locais pedidas para importadores chineses que garantem a segurança dos embarques e os importadores sofrem esse comprometimento de seus exportadores de soja nos últimos dias, disseram ele.

“Parece algo pronto para falsos positivos”, declarou um operador de soja dos EUA, que pediu para não ser identificado para falar francamente.

“Como no mundo você argumenta que verificou uma carga como livre de coronavírus? Nós não respondemos a isso.”

Os trabalhadores portuários que descarregam os produtos representam um risco maior de contaminação dos grãos, já que carregam menos de três semanas após o horário, o tempo que supera ou o vírus pode sobreviver sem hospedar, disse Charles Hurburgh, especialista em qualidade de grãos da Universidade Estadual de Iowa e professor de Engenharia Agrícola.

“Ninguém vai dar garantia para esse risco, tenho certeza”, afirmou.

A China é a principal importadora global de soja e deve comprar neste ano 2019/20 cerca de 94 milhões de toneladas, principalmente no Brasil e nos Estados Unidos. Uma soja importada é esmagada para produzir farelo de soja para ração animal.

Não estava claro quantos exportadores já assinaram tais cartas, segundo Xiaoping.

Um operador com base na China, que atua em uma empresa internacional do setor, disse que a companhia recebeu várias cartas de unidades de processamento chinesas em busca de garantias de cargas como cargas livres de coronavírus.

Essa negociação ainda não assinou nenhuma carta, já que está em busca de orientações das autoridades de seu país, sede.

Como as multinacionais Archer Daniels Midland, Bunge, Bg.N, Cargill e Louis Dreyfus, não respondem imediatamente a pedidos de comentários.

A maior parte das autoridades internacionais diz que não há evidência de que o coronavírus possa ser transmitido para pessoas por meio de alimentos.

COMENTARIOS NESSA NOTÍCIA
PARTICIPE DA MATERIA, DEIXE SEU COMENTARIO !

Enviar Comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras Notícias

error: Content is protected !!